Usuários ConstruaNegócios
Usuário  
Senha
Quero me cadastrar  |  Esqueci minha senha
Busca
RSS Adicionar aos favoritos Siga-nos no Twitter Confira a edição

 
 
 
 
     
       
 
   
 
 


Construção leva demandas a Temer
Reunião de lideranças da construção civil nacional com o presidente Temer teve ainda a participação do presidente da Caixa, Gilberto Occhi.
Construção leva demandas a Temer
Foto: Divulgação
Fortaleza/Brasília. O fortalecimento da Caixa Econômica foi o principal assunto tratado entre representantes da construção civil e o presidente Michel Temer na tarde de ontem (6), em Brasília. Segundo o presidente do Sindicato da Construção Civil no Ceará (Sinduscon-CE), André Montenegro, a resposta foi imediata e diz respeito ao projeto de lei aprovado na mesma noite no plenário da Câmara que permite ao conselho curador do FGTS adquirir, por resolução, bônus perpétuos emitidos pela Caixa com o objetivo de socorrer o banco público.

"Pedimos que reforçasse a Caixa para que o banco voltasse a emprestar normalmente, pois tem recursos financeiro para emprestar, mas devido ao uso de recursos para amenizar os gastos do governo ficou sem dinheiro. Queremos que reponha esse dinheiro, esses dividendos retirados antes, afinal, a Caixa possui 70% de marketing share na mão", destacou Montenegro.

Já o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), José Carlos Martins, líder da comitiva, afirmou que "a ideia foi apresentar uma pauta para destravar o País e criar condições para que o investimento volte e com ele a geração de emprego e renda".

Riscos e danos

A medida aprovada pelos deputados é uma tentativa de driblar o Tribunal de Contas da União (TCU), que abriu investigação sobre a operação. O Ministério Público junto à corte de contas chegou a pedir que a transação fosse barrada por entender que há desvio de finalidade e risco de dano ao patrimônio dos trabalhadores. O texto foi apresentado pela bancada do PP, mesmo partido do presidente da Caixa, Gilberto Occhi.

A urgência da tramitação da proposta foi aprovada no fim da tarde, logo depois de o TCU rejeitar o pedido de cautelar para impedir a operação. Foi um voto de confiança diante do compromisso do governo, sinalizado em documentos ao TCU, de que não faria nenhum movimento para concretizá-la antes do pronunciamento da corte de contas.

Necessidade

A operação é considerada necessária pelo governo para que a Caixa possa continuar emprestando sem restrições. Com problemas de capital, o risco seria o banco público - responsável por programas sociais como o Minha Casa Minha Vida - ter que puxar o freio no crédito justamente em período eleitoral.

O projeto de socorro à Caixa foi protocolado uma semana após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se reunir com o presidente da Caixa para discutir as dificuldades do banco. As negociações ocorrem em meio às tentativas do governo para aprovar a reforma da Previdência. O projeto de lei foi apresentado em 30 de novembro, dois dias após a abertura da investigação pelo TCU, pelo deputado Fernando Monteiro (PP-PE), um dos principais aliados do presidente da Câmara.

FONTE: Diário do Nordeste


« voltar | versão para impressão | enviar notícia por email | topo